PRÓXIMO ANTERIOR
 
 
 
 
 

Home » Formações » O SÁBADO SANTO: VIGÍLIA PASCAL

O SÁBADO SANTO: VIGÍLIA PASCAL


Santos Anjos | 30 March, 2013

O Missal romano apresenta o sábado da seguinte maneira: neste dia, “a Igreja fica parada junto ao sepulcro do Senhor, meditando a sua paixão e morte, abstendo-se da celebração da Eucaristia (A mesa fica sem ornamentos) até a vigília ou expectativa noturna da ressurreição. Neste dia a Igreja convida os fieis ao silencio e a meditação. O mistério de Cristo no sepulcro, torna-se convite para meditar no mistério de Cristo escondido no mistério do Pai. Vamos neste dia estar junto com as mulheres as portas do sepulcro (Cf. Mt 27,61). Todo fiel é chamado a contemplação, nutrindo no coração a esperança. Este sábado é um convite para “retirar-se para o deserto” afim de escutar o Senhor por meio da oração silenciosa.

Hoje o olhar da igreja se volta para a Virgem Maria, com ela a alegria de viver e a coragem de esperar são reencontradas.

A ESPIRITUALIDADE DA VIGÍLIA PASCAL E DO DOMINGO DA RESSURREIÇÃO

“Esta é a noite em que Jesus rompeu o inferno, ao ressurgir da morte vencedor”.Preconio pascal

Lancemos um olhar sobre a noite do Sábado Santo. No Credo professamos a respeito do caminho de Cristo: “desceu a mansão dos mortos”.  Não conhecemos o mundo da morte e podemos representá-lo com imagens que são insuficientes. Mesmo assim elas nos ajudam a entender algo do mistério.

A liturgia aplica a decida de Jesus na noite da morte as palavras do Salmo 24 (23): “Levantai, ó portas, os vossos dintéis, levantai-vos ó pórticos eternos!” A porta da morte está fechada e ninguém pode voltar dali para trás. Para esta porta não há chave. Cristo, porem, possui a chave, a sua Cruz abre de par em par as portas da morte. Elas agora já não são intransponíveis. A sua Cruz, a radicalidade do seu amor é a chave que abre esta porta.

O amor de um Deus que se fez homem, pobre e vulnerável para poder morrer, só este amor tem a força para abrir esta porta e transpor todas as outras assim como fez o Ressuscitado quando apareceu aos discípulos (Jo 20, 19ss). Este amor é mais forte do que a morte e nada pode apagá-lo. Ele pode tudo mudar, mesmo as situações de morte, pode fazer passar da Morte para a Vida; do Homem Velho com seus vícios e pecados, para o Homem Novo que confia em Deus e faz dele o seu Senhor.

Os ícones pascais podem nos ajudar a entender melhor o que acontece nesta noite: Cristo entra no mundo dos mortos cheio de luz, porque Deus é luz. Ele traz consigo suas chagas gloriosas, aquelas que antes o desfiguraram e o deixaram até mesmo sem aspecto humano 8, são agora poder de Deus, o Amor que vence a Morte.

Ele encontra Adão e todos os outros que esperam na noite da morte. Na sua encarnação o Filho de Deus se tornou uma só coisa com o ser Humano, Adão9, porem só neste momento se cumpre o extremo ato de amor, descendo na noite da morte, Ele cumpre o caminho da encarnação. É pela sua morte, que Ele toma Adão, caído pelo peso do pecado, pela mão e leva todos os homens em expectativa para a luz. Jesus aqui restabelece a união do homem com Deus10. Também nós nesta noite saímos de nossas mortes pessoais, tomados pela mão de Jesus, somos ressuscitados com Ele.

Poucas celebrações litúrgicas são tão ricas de conteúdo e de simbolismo como a vigília Pascal, ela é o coração de todo o ano litúrgico e dela se irradiam todas as outras celebrações, nesta noite Santa a Igreja celebra de modo sacramental mais pleno, a obra da redenção e da perfeita glorificação de Deus e de seu Filho Jesus Cristo, tornado para nós um novo Adão, ao pagar nossa culpa se entregando a Morte e morte de Cruz.

Para compreendermos melhor o significado e valor desta Vigília, devemos mergulhar na antiqüíssima tradição da igreja que nos recorda: “Esta é a noite de vigília em honra do Senhor (Ex 12,42). Nesta noite os fieis trazem consigo suas lâmpadas acesas assemelhando-se àqueles que esperam o Senhor no seu retorno, de maneira que quando Ele chegar os encontre ainda vigilantes e os faça sentar á sua mesa (Lc 12,35ss).

A Solene Vigília Pascal, tem origem na primeira páscoa, a noite em que do Egito o Senhor retirou os filhos de Israel, transpondo o mar vermelho a pé enxuto rumo, à terra onde corre leite e mel. Durante esta vigília os israelitas celebrando o rito pascal, faziam memória da salvação realizada por Deus nos eventos do êxodo. “Este dia será para vocês um memorial, pois nele celebrarão uma festa para o Senhor; vocês celebrarão como um rito permanente de geração em geração” (Cf Ex 12,14). Esta celebração tinha o caráter de memória-presença-expectativa. Os hebreus esperavam o cumprimento das promessas de Deus de tirá-los da terra estrangeira, levá-los à terra prometida e enviar o messias.

Na páscoa Cristã, a estrutura teológica da vigília pascal (memória-presença-expectativa) não muda, mas se enriquece com a realidade que é Cristo, o Ressuscitado que passou pela Cruz.

A celebração cristã, é enriquecida pela certeza de que vivemos a páscoa junto com o Senhor, que nos ensina que para chegar à  ressurreição da vigília, deve-se antes passar pela morte da Sexta-feira Santa, ou seja, não há vida nova e ressuscitada sem a Cruz que o Ressuscitado nos apresenta como a chave para todas as portas e, a cura para todos os nossos males, a manifestação mais plena do poder de Deus e do Seu Amor.

Diz o precônio pascal: “Esta é a noite em que Jesus rompeu o inferno, ao ressurgir da morte vencedor.” De fato esta é a grande noite, nela somos feitos livres de todo o pecado que nos trouxe a morte, graças a um tão grande Redentor, que em si mesmo destruiu o pecado e rompeu o inferno. Nesta noite a coluna luminosa dissipa toda a treva e, congrega um povo novo, fruto da obra do Ressuscitado que passou pela Cruz. Por isso Santo Agostinho já dizia: “esta é a mãe de todas as vigílias!”

Como já dissemos antes, a celebração desta vigília é repleta de símbolos que necessitam ser compreendidos se queremos celebrar bem esta noite Santa. É exatamente isso que iremos discorrer nesta segunda parte.

DESENVOLVIMENTO DA VIGÍLIA PASCAL:

Toda a celebração da Vigília Pascal desenvolve-se a noite, esta deve começar pouco depois do inicio da noite e terminar antes do nascer do sol. Desde o inicio, a Igreja celebra a Páscoa anual, solenidade das solenidades com uma vigília noturna.

A ressurreição de Cristo é o fundamento da nossa Fé, por meio do Batismo e da Crisma, fomos inseridos no mistério pascal de Cristo. A celebração do mistério desenvolve-se do seguinte modo: após o “lucernário11” e o “precônio12” (I parte da vigília), a Santa Igreja medita “as maravilhas” que o Senhor fez para o seu povo desde o inicio (II parte ou liturgia da palavra), até o momento em que com seus membros13 regenerados no batismo (III parte da vigília), é convidada à mesa que o Senhor preparou para o seu povo, memorial de sua morte e ressurreição, em expectativa para sua vinda gloriosa (IV parte da vigília). Este esquema não pode ser alterado.

I Parte – Solene Inicio da Vigília ou Lucernário

A primeira parte da vigília celebra a luz, Cristo, de um modo particular com a sua ressurreição é a luz do mundo (Jo 1, 9). Cada um de nós que tomamos parte nos sacramentos somos constituídos “luz do Senhor” (Ef 5,8). Este rito inicial compreende: a bênção do fogo, preparação do círio, procissão e anuncio pascal.

Antes de benzer o fogo o sacerdote saúda o povo, explicando brevemente o significado da vigília: se trata de reviver a páscoa do Senhor, na escuta da palavra e na participação aos sacramentos: e Cristo Ressuscitado confirmará a esperança de participar em sua vitória e de viver em Deus com Ele.

Após esta admoestação o sacerdote benze o fogo novo, esta bênção significa o desejo de que as festas pascais ascendam em nós o desejo do céu, renovem o nosso espírito e nos guiem para a vida eterna. O círio pascal é aceso14. Depois de aceso o círio é conduzido solenemente até o altar, por um diácono ou pelo sacerdote celebrante, seguido em procissão pelo povo. Até este momento o templo deve permanecer escuro, apenas a luz do círio deve brilhar em meio as trevas, assim como Cristo Ressuscitado brilha.

Nesta luz são acesas as velas do povo, enquanto se canta três vezes sucessivas: “Eis a luz e Cristo.”e o povo responde: “Demos graças a Deus”. O círio é colocado perto do ambão e o diácono então proclama solenemente a páscoa com o precônio pascal, com esta oração de ação de graças é proclamada a Páscoa, nela louvamos a Deus pela Ressurreição do Seu Filho e pela vida nova que Ele nos concedeu, lembrando de todos os feitos realizados por Ele desde o êxodo do Egito até os dias atuais.

II Parte – Liturgia da Palavra

Depois da bênção do fogo, a Igreja medita nas maravilhas que Deus realizou em favor de seu povo confiando em sua palavra e suas promessas. Nesta noite, cumprem-se em Jesus Cristo morto e Ressuscitado as grandes obras de Deus, anunciadas no Antigo testamento.

O símbolo do círio dá lugar à realidade de Cristo, presente em sua palavra. A Igreja, começando por Moises e todos os profetas, interpreta o mistério pascal de Cristo. Para esta celebração são propostas nove leituras (sete do Antigo Testamento e duas do novo, sendo uma das Cartas de São Paulo e outra do Evangelho). Terminadas as leituras do Antigo Testamento, canta-se solenemente o Gloria e pronuncia-se a oração coleta15. Após esta oração lêem-se as leituras do Novo testamento, em sinal da passagem do Velho para o Novo, da Morte a Vida em Jesus Cristo.

Neste dia voltamos a cantar o Aleluia, que é entoado solenemente pelo sacerdote presidente. Após a proclamação do Evangelho, o presidente da celebração faz a homilia.

III Parte – Liturgia Batismal

Segundo uma antiqüíssima tradição, nesta noite os catecúmenos16 recebiam após uma intensa preparação o Sacramento do Batismo e eram de fato admitidos a fé da Igreja. O batismo nos torna um com Cristo, nos insere em seu corpo, pela graça deste sacramento somos sepultados e ressuscitamos com o Senhor.

O rito desenvolve-se da seguinte forma: canto da ladainha de todos os santos (onde se pede a intervenção do céu e se lembra a comunhão dos santos que estamos inseridos pela graça batismal), bênção da água batismal (a água nos lembra a morte para o pecado e a vida nova em Cristo). Apos esta bênção, administra-se o Batismo e a assembléia renova as suas promessas batismais, depois todo o povo é aspergido com água para lembrar o batismo que todos receberam.

IV Parte – Liturgia Eucarística

Este é o ápice da vigília, é de maneira plena o sacrifício da Páscoa, isto é, memorial do sacrifício da cruz e da presença do Ressuscitado, plenitude da iniciação cristã e antecipação da páscoa eterna.

A Eucaristia é de fato o Sacramento do Ressuscitado, por ela o Senhor realiza a sua promessa de estar sempre conosco ate o fim. Pela Eucaristia rendemos a ação  graças e o sacrifício perfeito: pão da vida eterna e cálice da bênção: Jesus Cristo o Filho de Deus vivo, Ressuscitado que passou pela Cruz.

As missas que se seguem neste dia:

Com o Domingo inicia-se o Tempo Pascal, a liturgia deste dia celebra o evento da páscoa, como o “dia de Cristo Senhor”. As leituras bíblicas no decorrer deste dia solene contem o kerygma pascal e um chamado para que nos empenhemos em viver uma vida nova em Cristo. Todas as celebrações  apresentam Cristo como o verdadeiro motivo da ação de graças da igreja neste tempo de salvação. Na sua ressurreição, Cristo comunica ao mundo o seu Espírito de vida, que muda a vida do homem e, o liberta de suas escravidões e resgata o homem do pecado. Como diz o Salmo 118: “Este é o dia que o Senhor fez para nós”. Dia em que tudo é em Jesus Cristo, recriado. É o dia de nossa vida nova, onde podemos experimentar a alegria de Madalena e dizer: “Vi Cristo Ressuscitado, o túmulo abandonado, os anjos da cor do Sol, dobrado no chão o lençol” .

A missa deste dia ocorre de forma mais solene, porem como de costume, ou seja, não são introduzidos ritos alem dos que já existem.

O Domingo, primeiro dia da criação agora toma uma conotação maior, neste dia onde tudo é recriado pelo poder ressuscitador do Espírito de Deus, nós também o somos, assim o domingo se torna o Dia do Senhor. Este dia é o sol da semana o grande dia que celebramos a Páscoa do Senhor, que agora saiu do sepulcro e está no meio de nós, vivo.

A morte, a dor, as guerras, o pecado não tem mais a ultima palavra apesar do mundo estar cheio disso tudo, há uma vitória que é maior que tudo isto, está acima de tudo, esta acima do céu, está no meio da terra, está nos nossos corações.

FONTE: http://www.comshalom.org/formacao/exibir.php?form_id=5210

1 Comentario para: " O SÁBADO SANTO: VIGÍLIA PASCAL "

  1. Preparando-nos para a Páscoa nosso coração fica cheio de emoção e alegria com este texto maravilhoso.
    Que na graça do Senhor Deus continuem produzindo textos tão úteis para a nossa formação.
    Deus os abençoe.

Deixe um comentário