PRÓXIMO ANTERIOR
 
 
 
 
 

Home » Mensagens » Uma Lágrima na Janela

Uma Lágrima na Janela


Santos Anjos | 4 January, 2012

É tempo de abraços, sorrisos e votos casuais de “FELIZ ANO NOVO!”

O que é ano feliz? Será aquele que a música popular canta: “Muito dinheiro no bolso e saúde pra dar e vender?” Esses conceitos de felicidade sem sofrimento nos fazem caminhar na superficie da vida, no exterior da alma. É felicidade levada em vasos de barro: se acaba no primeiro tombo.

A Palavra de Deus tira a escuridão, a treva, a mentira, o limo escorregadio e traiçoeiro dos conceitos que passam e deixam mortos à beira do caminho…

A Palavra é lâmpada para os pés, é facho que ilumina os passos, é luz no caminho. A Palavra conduz a felicidade que nao passa… “Feliz aquele que se compraz no serviço do Senhor e medita Sua Lei dia e noite” (Sl 1, 2); “Felizes os misericordiosos , porque alcançarão misericórida” (Mt 5, 7); “Feliz és tu, que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas” (Lc 1, 45); “Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne e nem o sangue quem te revelou isto, mas meu Pai que está nos Céus…” (M***16, 18).

“Feliz é aquele que se compraz no serviço do Senhor”… Que serviço? Serviço de servir um copo d’água. Feliz aquele que nao se deixa levar na atordoante corredeira, porque ela desemboca na mortal cachoeira… Feliz aquele que não fica paralizado em águas estagnadas, porque apodrecerá contemplando a si mesmo. Feliz aquele que não se deixa endurecer por medo de se quebrar e sofrer. Feliz aquele que não fecha as janelas da sua vida e a porta do seu coração.

Este ano, Senhor, eu quer ainda mais feliz! Quero que o Santo Espírito me leve às águas profundas onde os corajosos são chamados a nadar. Quero ser mais e mais semelhante ao MESTRE. Nas pregações? Nas curas? Sinais e prodígios? NÃO! Somente no acolhimento e ternura, na fé, na paz e na compaixão de dessentar ovelhas…

É tempo de gente sofrida, traída, enganada e fragilizada no corpo, na alma e no espírito, E o Senhor diz aos hospedeiros: “Trata dele e quanto gastares a mais, na volta te pagarei.” (Lc 10, 35)

Senhor, quero ter braços para abraçar, mãos para acariciar, sorrisos para sorrir e palavras para consolar. Quero ter ouvidos para ouvir e se não tiver um copo d’água para dar, que ao menos, Senhor eu possa ter uma lágrima na janela dos meus olhos… Sempre pronta a se soltar e molhar ossos ressequidos de um sofredor já meio morto.

Assim seja, aleluia, amém!

Lenira Krespsky

Deixe um comentário